Posted by: kohlerortofacial | February 5, 2014

Zumbido e disfunção craniofacial. Qual a relação?

ImageProxy.mvc Dr. Gerson I. Köhler

ImageProxy

Artigo do renomado periódico científico AJODO – American Journal of Orthodontics & Dentofacial Orthopedics revela, com evidências científicas, que sintomas como zumbidos, vertigem/tontura, otalgia (sensação de dor de ouvido) e tamponamento dos ouvidos (ouvidos abafados) costumam ser muito comuns em pacientes portadores de disfunções/distúrbios de ATMs (articulações temporomandibulares). Estas disfunções são conhecidas por vários nomes, significando todos a mesma doença: disfunções craniofacias, disfunções craniomanbibulares ou disfunções temporomandibulares.

Estas questões, no entender do professor Gerson I. Köhler, membro – há 12 anos – do GIPZ, Grupo de Informações a Pacientes com Zumbidos (HC/UFPR), são estudadas e pesquisadas desde os anos 20 do século passado, sendo importante citar um artigo clássico, de 1934, no qual o médico otorrinolaringologista James Costen relatava a associação entre sintomas dos ouvidos (orelhas internas) e ATMs (articulações temporomandibulares, (próximas aos ouvidos).

A medida em que os avanços da medicina otológica (ouvidos) e da disfuncionalidade craniofacial (odontologia) foram evoluindo, novas evidências científicas foram – gradativamente – sendo encontradas entre sintomas otoneurológicos (principalmente o zumbido – conhecido em inglês como tinnitus) e a funcionalidade/disfuncionalidade das ATMs (par de articulações do rosto, situado bem próximo às orelhas externas) e seus anexos neuromusculares. Este par de articulações é considerado – segundo o especialista Juarez Köhler – como o mais complexo entre as aproximadamente 230 articulações do corpo humano e liga a face (através da mandíbula) ao crânio.

Segundo Juarez Köhler, membro associado da equipe interdisciplinar Köhler, há seguras evidências científicas de que existem associações anatomofuncionais entre as estruturas dos ouvidos internos e a mandíbula, a face, a nuca e pescoço, não quais as ATMs (e seus anexos neuromusculares) não estejam funcionando corretamente.

Isto costuma – na maioria das vezes – estar associado à forma de oclusão dentária do paciente e às forças inadequadas que ele aplica em seu processo mastigatório e de bruxismo. As evidências desta relação – normalmente disfuncional e com sintomatologia – se fazem presenteS, segundo oS especialistas em Ortopedia Facial e Ortodontia, ao fato de que os ouvidos tem inervações que também são comuns às ATMs e seus anexos, principalmente o quinto par (nervo trigêmeo) e o sétimo (nervo facial).

Estudos recentes mostram, de acordo com Gerson I. Köhler, que os sintomas otológicos (principalmente zumbido, tamponamento de ouvidos, tontura e otalgia) estão muito mais presentes em pacientes sofredores das chamadas disfunções craniofaciais (ou temporomandibulares) do que em pacientes que não padecem deste tipo de disfuncionalidade.

O especialista informa ainda que estudos otoneurológicos de autores médicos – principalmente do médico americano Robert Levine, nos mostram que a somatossensorialidade (comunicação de informações do corpo à cortex cerebral), principalmente do setor craniocervicofacial (boca, face, cabeça e pescoço) justificam, em determinados pacientes, a percepção e modulação dos sintomas acúfenos, principalmente o zumbido. Nestes pacientes a cortex cerebral que cuida da decodificação da parte da audição começa a interpretar sensações musculares craniofaciais como sendo sintomas otológicos (dos ouvidos).

Desta forma, no entender dos especialistas Gerson e Juarez, da Köhler Interdisciplinar, já se sabe – e isto é muito importante tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento dos chamados sintomas acúfenos (do qual o mais conhecido é o zumbido) – que estes sintomas podem, em determinados casos, terem etiologias (causas) que não se situam exatamente (ou não somente) nas estruturas internas dos ouvidos.

Enfatizam os especialistas que a primeira consulta de tais sintomas deverá – de regra – ser efetuada em médicos otoneurologistas e/ou otorrinolaringologistas que, detectando evidências de que possam existir também causas somáticas (principalmente oriundas da movimentação dos músculos da boca, face e pescoço), solicitarão – além dos exames próprios para avaliar estas questões otológicas – também uma avaliação especializada na área de disfuncionalidade craniofacial.

Se você é portador(a) de algum dos sintomas abordados neste artigo, não espere mais, procure logo pelo seu médico especialista de confiança. Como todas as doenças e/ou disfunções do corpo humano, também estas podem ser melhor tratadas se detectadas precocemente.

Fontes consultadas:

– Gerson I. Köhler, membro especialista da ABOR – Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial, filiada internacionalmente à WFO – World Federation of Orthodontists, USA e também membro – há 12 anos – do GIPZ, Grupo de Informações a Pacientes com Zumbidos, do HC/UFPR

– Juarez F. W. Köhler, membro especialista da ABOR – Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial e da Sociedade Brasileira de Sono.

– Somatic Tinnitus, capítulo do livro Tinnitus, Theory and Managemet, Robert A. Levine, USA

– Prevalence of otologic complaints in patients with temporomandibular disorders, AJODO, American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, 2003

17

– See more at: http://www.blogizazilli.com/index.php/destaques/zumbido-e-disfuncao-craniofacial-qual-a-relacao#sthash.FyBwUeT8.dpuf


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

%d bloggers like this: